O Instituto do Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina (IMA) recebeu nesta quinta-feira, 05 de setembro, a visita da comitiva do governo de Goi√°s para o compartilhamento de programas desenvolvidos no √≥rg√£o ambiental catarinense, entre eles, o sistema de licenciamento e o de monitoramento de res√≠duos, j√° ‚Äúexportado‚ÄĚ para v√°rios estados brasileiros.

Para os representantes do governo de Goi√°s, o licenciamento ambiental √© um dos maiores desafios do estado. ‚ÄúH√° R$ 36 bilh√Ķes de investimento somente na √°rea de minera√ß√£o represados em Goi√°s por causa do licenciamento. O que significa 40 mil empregos diretos e 200 mil indiretos‚ÄĚ, afirmou o assessor especial do governo de Goi√°s, Bruno Netto.

Em Santa Catarina, todo o processo de análise e emissão de licenças é realizado pelo Sinfat, sistema de licenciamento em operação desde 2007. Por meio deste programa, todo o procedimento é digital, do protocolo do projeto à análise e emissão de pareceres, concluindo com a emissão da licença, quando atendidos todos os requisitos legais para tal.

Os dados do sistema auxiliam n√£o apenas os analistas para a verifica√ß√£o dos processos, mas contribui para a gest√£o das informa√ß√Ķes em outro programa do IMA, o Business Intelligence (BI) que tamb√©m foi apresentado aos representantes de Goi√°s.

O BI apresenta com detalhes o processo de licenciamento do Instituto, e permite saber o n√ļmero de projetos protocolados, a quantidade exata de processos conclu√≠dos, dados de cada atividade, entre outros. √Č por meio deste sistema que o Instituto sabe, por exemplo, que est√° com saldo positivo no tr√Ęmite dos processos, o que significa que a quantidade de projetos conclu√≠dos √© maior dos que os protocolados em todas as regionais do IMA.

Outro programa de gest√£o de informa√ß√Ķes √© voltado ao acompanhamento de autos de infra√ß√£o. O GAIA permite o controle da tramita√ß√£o dos processos, emiss√£o das decis√Ķes sobre os processos administrativos, emiss√£o de boletos, entre outros.

O GEOSEUC ‚Äď sistema de geoprocessamento do IMA tamb√©m foi mostrado aos visitantes. A utiliza√ß√£o deste recurso possibilita a identifica√ß√£o de v√°rias informa√ß√Ķes como localiza√ß√£o precisa das Unidades de Conserva√ß√£o Estaduais e Federais, hidrografia, relevos, vases cartogr√°ficas, auxiliando assim os t√©cnicos nas an√°lises ambientais.

A pesquisa de balneabilidade foi outra iniciativa que chamou a aten√ß√£o dos goianos. Realizada h√° mais de quatro d√©cadas, o monitoramento informa a popula√ß√£o e turistas sobre as condi√ß√Ķes das praias. S√£o analisados 229 pontos dos 500 quil√īmetros da costa catarinense. Os relat√≥rios s√£o divulgados semanalmente de novembro a mar√ßo e na baixa temporada, de abril a outubro, de forma mensal.

Outro monitoramento realizado pelo IMA em Santa Catarina √© o de res√≠duos. O MTR - Sistema de Controle de Movimenta√ß√£o de Res√≠duos e Rejeitos controla o transporte de res√≠duos da fonte geradora at√© a destina√ß√£o final. Pioneira na gest√£o informatizada dos res√≠duos s√≥lidos, Santa Catarina tornou-se refer√™ncia no pa√≠s ao mapear e monitorar cerca de 10 milh√Ķes de toneladas de res√≠duos produzidos anualmente. Desde o in√≠cio da opera√ß√£o em 2016, o Sistema MTR foi ‚Äúexportado‚ÄĚ para outras unidades da federa√ß√£o por meio de conv√™nios como o Rio de Janeiro, Minas Gerais e Amazonas.

Para o presidente do IMA, Valdez Rodrigues Ven√Ęncio, a visita significa n√£o apenas a aproxima√ß√£o entre os estados e a possibilidade de compartilhamento de informa√ß√Ķes e experi√™ncias, mas demonstra tamb√©m que o Instituto est√° no caminho certo. ‚ÄúO interesse de outros estados por a√ß√Ķes desenvolvidas no IMA √© a comprova√ß√£o de que estamos superando os desafios e conseguindo evoluir, sempre utilizando a tecnologia em prol do meio ambiente, aliando assim desenvolvimento e sustentabilidade‚ÄĚ.