O Governo do Estado de Santa Catarina, por meio do Instituto do Meio Ambiente (IMA), apresentou nesta quinta-feira, 12 de dezembro, durante o lançamento do Verão Santa Catarina, as novas placas de balneabilidade que indicam a condição do ponto para banho humano. Serão instaladas 229 placas nos 500 km da costa catarinense.

A nova sinaliza√ß√£o nas praias foi desenvolvida de acordo com a logomarca do Instituto em substitui√ß√£o √†s antigas placas que est√£o com a marca da ent√£o Fatma, extinta em dezembro de 2017. O layout mais moderno e atrativo cont√©m caracter√≠sticas e cores que remetem ao mar e √† natureza. Al√©m de indicar a propriedade ou n√£o do local para banho, as placas t√™m ainda informa√ß√Ķes como o site de balneabilidade e o da Ouvidoria para den√ļncias.

Santa Catarina √© o segundo estado com maior monitoramento de balneabilidade. O primeiro √© o Rio de Janeiro. Ao todo, s√£o monitorados 229 pontos nos 500 quil√īmetros da costa de Santa Catarina. O IMA seleciona esses pontos de tal forma que todo o litoral seja avaliado, concentrando as coletas justamente nos locais mais suscet√≠veis de polui√ß√£o, os de maior fluxo de banhistas. Todos os pontos receber√£o nova sinaliza√ß√£o.

 

Balneabilidade

A pesquisa de balneabilidade √© realizada sistematicamente pelo √≥rg√£o ambiental catarinense desde 1976, seguindo as normas da Resolu√ß√£o do Conselho Nacional do Meio Ambiente. A Pesquisa analisa as √°guas de cada balne√°rio e determina se est√£o pr√≥prias ou impr√≥prias para o banho. Isto √©, se est√£o contaminadas ou n√£o por esgotos dom√©sticos. A exist√™ncia de esgoto √© verificada por meio da contagem da bact√©ria Escherichia coli (E.c.) presente nas fezes de animais de sangue quente que podem colocar em risco a sa√ļde dos turistas e da popula√ß√£o local.

Os técnicos fazem as coletas da água do mar a até 1 (um) metro de profundidade, na quantidade de 100 mililitros em cada ponto. O material coletado é submetido a exames bacteriológicos durante 24 horas. São necessárias cinco semanas consecutivas de coleta para se obter um resultado tecnicamente confiável.

Para as an√°lises s√£o levados em considera√ß√£o aspectos como condi√ß√Ķes de mar√©, incid√™ncia pluviom√©trica nas √ļltimas 24 horas no local, a temperatura da amostra e do ar no momento da coleta (par√Ęmetro f√≠sico) e a imediata condu√ß√£o para a pesquisa em crescimento bacteriano.

A pesquisa, al√©m de servir como par√Ęmetro na escolha da praia pelo banhista, tamb√©m √© um servi√ßo de sa√ļde p√ļblica e essencial para a tomada de decis√£o por parte da administra√ß√£o municipal.

Durante a alta temporada, de novembro a mar√ßo, o IMA monitora semanalmente a qualidade da √°gua do mar para banho humano. As placas ser√£o atualizadas todas as semanas. No entanto, a equipe da Ger√™ncia de Laborat√≥rios e Medi√ß√Ķes Ambientais do Instituto solicita a aten√ß√£o dos banhistas com rela√ß√£o √† sinaliza√ß√£o, pois em muitos lugares as placas s√£o danificadas, vandalizadas e at√© retiradas. Por isso, sempre que necess√°rio, basta acessar o site balneabilidade.ima.sc.gov.br para saber a situa√ß√£o atualizada de todas as praias do litoral catarinense.

A água é considerada:


Pr√≥pria: quando em 80% ou mais de um conjunto de amostras coletadas nas √ļltimas 5 semanas anteriores, no mesmo local, houver no m√°ximo 800 Escherichia coli por 100 mililitros.
Impr√≥pria: quando em mais de 20% de um conjunto de amostras coletadas nas √ļltimas 5 semanas anteriores, no mesmo local, for superior que 800 Escherichia coli por 100 mililitros ou quando, na √ļltima coleta, o resultado for superior a 2000 Escherichia coli por 100 mililitros.

Foto: Cristiano Estrela / Secom.